A CRASE

Atualizado: Jun 10




A CRASE


CRASE é a fusão de duas vogais idênticas.


QUANDO OCORRE A CRASE:


1) PREPOSIÇÃO A + ARTIGO FEMININO A


Irei a + a Bahia. = Irei à Bahia.

Assisti a + a última peça de Dias Gomes. = Assisti à última peça de Dias Gomes.


2) Quando está implícito a expressão à moda de:


Era um texto à Camões.


3) Entre a preposição a e pronomes:


Assisti a + aquela peça de Dias Gomes. = Assisti àquela peça de Dias Gomes.

Assisti a + aquele jogo da seleção. = Assisti àquele jogo da seleção.

A aquilo chamam de líder? = Àquilo chamam de líder?!


4) Ente a preposição a e o pronome demonstrativo a(s) implícito ou não:


Todas as moças são bonitas, mas refiro-me à da ponta. (à = àquela)


5) Entre a preposição a e o pronome relativo a qual (as quais), sempre que o termo regente exigir

preposição:


Esta é a cena à qual me referi. (Aqui, à qual é o objeto indireto do verbo referir.)


6) Diante de pronomes possessivos em referência a substantivo oculto:


Falei a minha tia e não à sua.


QUANDO NÃO OCORRE A CRASE


1) Antes de verbo:


Estou acostumado a estudar.


2) Antes de palavra masculina:


Ele foi morto a tiro.


3) Com pronome pessoal:


Respondi a ela que não iria.


4) Em expressões formadas por palavras idênticas repetidas:


Gota a gota, frente a frente, ponta a ponta, cara a cara.


5) Antes de palavra de sentido indefinido:


Falou a uma pessoa.

Falou a certa pessoa.

Falou a qualquer pessoa.

Falou a cada pessoa.

Falou a toda pessoa.


LOCUÇÕES COM PALAVRAS FEMININAS


As locuções com palavras femininas não são um caso de crase, mas, sim, de acento diferencial. “Emprega-se o acento grave no à quando representa a pura preposição a que rege um substantivo feminino singular, formando uma locução adverbial.” (Evanildo Bechara)


Exemplos:


À força

Á míngua

À bala

À faca

À espada

À fome

À sede

À pressa

À noite

À tarde

À mão

À disposição

Às avessas

À beira-mar

Às centenas

Às escondidas

À frente

À mão armada

À parte

À perfeição

À primeira vista

À revelia

À risca

À solta

À toa

À vela

À vontade


Também ocorre com as locuções prepositivas, conjuncionais e adjetivas:


a) Prepositiva: à procura de, à frente de, à presença de, etc.;


b) Adverbiais: à distância, à vontade, à noite, etc.;


c) Conjuncionais: à medida que, à proporção que, à espera de que;


d) Adjetivas: bailes à fantasia, homem à-toa.


Segundo Rocha Lima, “Por motivos de clareza como para atender às tendências históricas do Idioma, recebem acento no a, independentemente da existência de crase, muitas expressões formadas com palavras femininas:


Apanhar à mão

Cortar à espada

Enxotar à pedrada

Fazer a barba à navalha

Fechar à chave

Ir à vela

Matar o inimigo à fome

Pescar à linha

À direita

À esquerda

À força

À força de

À francesa

À imitação de

À maneira de

À medida que

À míngua de

À noite

À pressa

À proporção que

À semelhança de

À toa

À ventura

À vista

À vista de

Nas expressões a seguir há a presença da preposição mais o artigo feminino a:

Às pressa (ou a pressa)

Às vezes (ou a vezes)

Às ocultas (ou a ocultas)

Às expensas de (ou a expensas de)


NÃO OCORRE ACENTO GRAVE EM LOCUÇÕES ADVERBIAIS COM PALAVRAS MASCULINAS


A pé

A caminho

A cavalo

A frio

A gás

A gosto

A lápis

A meio pau

A nado

A óleo

A postos

A prazo

A sangue-frio

A sério

A tiracolo

A vapor

Etc.


IMPORTANTE:


É comum no Brasil colocar o acento grave por motivo de clareza. Pode ser questão de concurso.


Observe:


Foi caçada a bala. ( A bala foi caçada)

Foi caçada à bala.


Bateu a máquina. (Deu uma pancada na máquina)

Bateu à máquina.


Cortou a faca. (Cortou a própria faca)

Cortou à faca.


Vendeu a vista. (Vendeu os olhos)

Vendeu à vista.


Coloquei a venda. (Colocou uma faixa nos olhos)

Coloquei à venda.


Tranquei a chave. ( A chave ficou trancada em algum lugar)

Tranquei à chave.


Pagou a prestação. (Pagou o que devia)

Pagou à prestação.


Lavar a mão. X Lavar à mão.

Fazer a mão. X Fazer à mão.


Veio a tarde. X Veio à tarde.


Combateremos a sombra. X Combateremos à sombra.


Aguardavam a cabeceira do doente. X Aguardavam à cabeceira do doente.







BIBLIOGRAFIA:

GRAMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA LÍNGUA PORTUGUESA, José de Nicola e Ulisses Infante, ed. Scipione.

GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA, Celso Ferreira da Cunha, MEC/FAE/RJ.

GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA, Rocha Lima, Livraria José Olympio Editora.

MODERNA GRAMÁTICA PORTUGUESA, Evanildo Bechara, Companhia Editora Nacional.

NOVA GRAMÁTICA APLICADA DA LÍNGUA PORTUGUESA, Manoel P. Ribeirro, Metáfora Editora.




421 visualizações2 comentários

© 2019 -2020 por LITERATURA E REDAÇÃO                                              Rio de Janeiro - Brasil

  • w-facebook
  • Twitter Clean
  • White Google+ Icon

 Tel  21-99321-0173 / contato@literaturaeredacao.com