top of page

CONCORDÂNCIA VERBAL



CONCORDÂNCIA VERBAL


REGRA GERAL


O verbo sempre concordará com seu sujeito em número e pessoa.


Eu estudo muito.

Tu estudas muito.

Ele estuda muito.

Nós estudamos muito.

Vós estudais muito.

Eles estudam muito.


O verbo concordará com o sujeito, mesmo que ele venha fora de ordem.


Faltavam cinco pessoas na festa.


SUJEITO COMPOSTO


A menina e a professora chegaram agora.






SUJEITO COMPOSTO RESUMIDO POR UM INDEFINIDO


Se o sujeito composto vier resumido por um pronome indefinido (tudo, nada, ninguém etc.), o verbo concordará obrigatoriamente com o pronome indefinido.


As roupas, os sapatos, as camisas, tudo estava fora de lugar.

Teatro, cinema, esporte, nada lhe interessava.


Atletas, dirigentes, técnicos, todos concordavam com a nova tabela do campeonato.


SUJEITO COMPOSTO FORMADO DE PESSOAS DIFERENTES


Quando o sujeito composto é formado por pessoas diferentes, o verbo concordará, no plural, com a pessoa de número gramatical mais baixo na sequência.


Eu, tu, e ele saímos.


Tu e o aluno saístes.

Tu e o aluno saíram. (Devido ao desuso do vós)


Tu e ele participaram da festa.


SUJEITO COMPOSTO, COM NÚCLEOS DO SUJEITO LIGADOS POR OU


Se tiver valor exclusivo, o verbo irá para o singular.


Pedro ou Paulo casará com Maria.


Se tiver valor inclusivo, o verbo irá para o plural.


Natal ou Maceió são excelentes locais para as férias.


SUJEITO COMPOSTO, COM NÚCLEOS DO SUJEITO LIGADOS POR COM


Quando os núcleos do sujeito forem ligados por COM, o verbo irá para o plural.


O professor com os alunos organizaram a excursão.


Observação: Admite-se a concordância com o verbo no singular, caso se queira dar maior importância ao primeiro elemento do sujeito composto.


O presidente com os seus auxiliares desembarcou na base aérea.


O SUJEITO É UM PRONOME DE TRATAMENTO


Quando o sujeito for um pronome de tratamento, o verbo permanecerá sempre na terceira pessoa.


Vossa Excelência atendeu o nosso pedido.

Vossa Majestade conhece bem seus ministros.

Vossas Excelências não aprovaram a emenda.





O SUJEITO É UM COLETIVO


Quando o sujeito é um coletivo, o verbo ficará no singular.


Uma quadrilha assaltou o banco.


Se o coletivo vier especificado, o verbo poderá permanecer no singular (conforme a regra), ou ir para o plural.


Uma quadrilha de ladrões assaltou (ou assaltaram) o banco.


Tal observação se aplica também quando o sujeito é uma expressão partitiva (parte de, metade de, etc.).


Parte dos alunos faltou (ou faltaram).


O SUJEITO É O PRONOME RELATIVO QUE


Quando o sujeito for o pronome relativo QUE, o verbo concordará com o antecedente do pronome relativo.


Fui eu que resolvi o problema.

Fomos nós que resolvemos o problema.

Foram os alunos que resolveram o problema.


Com as expressões um dos que, uma das que, o verbo deverá ir para o plural, embora sejam frequentes as construções com o verbo no singular.


Ele foi um dos que ganharam medalhas.


O SUJEITO É O PRONOME RELATIVO QUEM


Quando o sujeito for o pronome relativo QUEM, o verbo deverá permanecer na terceira pessoa do singular, concordando com ele.


Fui eu quem resolveu o problema.


Fomos nós quem escreveu as cartas.


Foram os alunos quem saiu.


Observação: é muito comum encontrar, mesmo em bons autores, a concordância com o antecedente do pronome relativo, como nos exemplos a seguir.


Foram eles quem resolveram o problema.


Fomos nós quem encontramos a solução.



CONCORDÂNCIA DE NOMES QUE SÓ APARECEM NO PLURAL


Quando o sujeito é um nome que só se utiliza no plural, se ele não vier precedido de artigo, o verbo ficará no singular. Caso venha precedido de artigo, o verbo acompanhará o artigo.


Alagoas possui lindas praias.


As Alagoas possuem lindas praias.



Férias faz bem.


As férias fazem bem.


CONCORDÂNCIA DAS EXPRESSÕES MAIS DE UM/ MAIS DE DOIS


Quando o sujeito for formado pela expressão mais de um, mais de dois, o verbo concordará com o numeral que acompanha tais expressões.


Mais de um jogador foi expulso.


Mais de dois jogadores foram expulsos.


Observação: Há dois casos em que a expressão mais de um exige o verbo no plural.


1) Quando a expressão mais de um vier repetida:

Mais de um aluno, mais de um professor faltaram.


2) Quando o verbo indicar reciprocidade:

Mais de um atleta agrediram-se.


SUJEITO FORMADO PELAS EXPRESSÕES “ALGUNS DE NÓS/ POUCOS DE VÓS/ QUAIS DE NÓS, etc.”


Quando o sujeito é formado por um pronome indefinido no plural (alguns, poucos, muitos, quais, etc.) seguido dos pronomes pessoais nós ou vós, a concordância tanto poderá ser feita com o indefinido plural, quanto com o pronome pessoal.


Alguns de nós saíram.

Alguns de nós saímos.

Muitos de vós chegaram.

Muitos de vós chegastes.


Caso o pronome esteja no singular, a concordância somente será feita com o pronome indefinido.


Algum de nós saiu.

Qual de vós achou a solução?


CONCORDÂNCIA DO VERBO ACOMPANHADO DA PARTÍCULA -SE


Quando o verbo vier acompanhado da partícula apassivadora

-se, terá sujeito expresso na oração e concordará normalmente com o sujeito.


Alugam-se casas.

Reformam-se ternos.

Vendeu-se um carro.


Cuidado!

Caso o -se seja índice de indeterminação do sujeito, o verbo permanecerá na terceira pessoa do singular.


Precisa-se de pedreiros. (Sujeito indeterminado)

Confia-se naquelas pessoas. (Sujeito indeterminado)






CONCORDÂNCIA DOS VERBOS DAR/ BATER/ SOAR

Indicando horas, os verbos dar, bater e soar concordam normalmente com o sujeito expresso na oração.


O relógio da igreja deu uma hora.

Sujeito: o relógio da igreja


Deu uma hora no relógio da igreja.

Sujeito: uma hora


Deram três horas no relógio da igreja.

Sujeito: três horas


CONCORDÂNCIA DOS VERBOS HAVER E FAZER IMPESSOAIS


Os verbos haver e fazer, quando impessoais, não apresentam sujeito, permanecendo na terceira pessoa do singular.


Havia muitas pessoas interessadas na aula.

Devia haver muitas pessoas interessadas na aula.

Faz dois meses que ela mudou.

Vai fazer dois meses que ela mudou.


O verbo haver é impessoal quando faz referência a tempo ou tem o sentido de existir. O verbo fazer é impessoal quando empregado com referência a tempo.


Quando um verbo auxiliar se junta a um impessoal, ele também fica no singular.




VERBO EXISTIR


O verbo existir é pessoal (eu existo, tu existes, ele existe, nós existimos, vós existis, eles existem). Logo, ele possui sujeito e com ele concordará normalmente.


Existem muitas pessoas interessadas na vaga.

Podem existir muitas pessoas interessadas na vaga.


SUJEITO ORACIONAL

Quando o sujeito for uma oração subordinada, o verbo deve permanecer na terceira pessoa do singular.


Ainda falta preencher os formulários.


(Oração subordinada substantiva subjetiva reduzida de infinitivo)


HAJA VISTA


Com a expressão haja vista, há três construções possíveis:


Haja vista os argumentos apresentados.

Haja vista aos argumentos apresentados.

Hajam vista os argumentos apresentados.


A palavra vista sempre permanecerá no feminino. Não existe, pois, haja visto, como também não existe ponto de visto.





VERBO PARECER MAIS INFINITIVO


Com o verbo parecer seguido de um infinitivo, há duas construções possíveis: ou se flexiona o verbo parecer, ou se flexiona o infinitivo, nunca ambos.


As estrelas pareciam brilhar.

As estrelas parecia brilharem.







BIBLIOGRAFIA:

GRAMÁTICA, LITERATURA E REDAÇÃO para o 2º grau, Ernani & Nicola, editora Scipione.


1.233 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page