O BARROCO


O BARROCO NA LITERATURA


O BARROCO foi o estilo artístico dominante nas cortes da Europa no século XVII e princípios do século XVIII. No Brasil Colônia ocorreram dois tipos de Barroco: o baiano, com manifestações literárias e artísticas no século XVII, e o mineiro, predominante na arquitetura e nas artes plásticas no século XVIII.


No fim do século XVI, as renovações culturais trazidas pelo Renascimento na Península Ibérica começaram a sofrer uma evolução que deu origem ao Barroco, um novo estilo literário que se estendeu até o final do século XVII.


Panorama cultural:


Encerra-se o ciclo das navegações;


As ideias de Reforma protestante começaram a ser combatidas através da Contra-Reforma;


Procurou-se restaurar um clima de religiosidade, contrário às ideias da antiguidade greco-romana revalorizada pelo Renascimento.


A partir deste complexo contexto sociocultural, o homem tenta conciliar a glória e o valor humano despertados pelo Renascimento com as ideias de submissão e pequenez perante Deus e a Igreja. Ao antropocentrismo renascentista (valorização do homem) opõe-se o teocentrismo (Deus no Centro de tudo), inspirado nas tradições medievais.


Essa situação contraditória provocou o aparecimento de uma arte que expressou também atitudes contraditórias do artista em face do mundo, da vida, dos sentimentos e de si mesmo. O homem se vê colocado entre o céu e a terra, consciente de sua grandeza, mas atormentado pela ideia de pecado e, nesse dilema, busca a salvação de forma angustiada. Os sentimentos se exaltam, as paixões não são mais controladas pela razão e o desejo de exprimir esses estados de alma só podem realizar-se através de antíteses, paradoxos, interrogações. O raciocínio tenta captar através de imagens e sugestões, o que é a vida, a morte, o amor.


No Brasil, dos escritores que manifestam em suas obras influências barrocas, destacam-se o Padre Antônio Vieira e o poeta Gregório de Matos.


O homem barroco vive num mundo de incertezas cuja base é a dúvida existencial.


Trata-se de ver o mundo através do seu absurdo, fundado na relação entre a vida.


A pergunta fundamental: se o homem é um ser para a morte, então, a vida não tem sentido. É a partir deste raciocínio que surge o movimento.


O barroco é um movimento artístico geral envolvendo manifestações na literatura, música, pintura, arquitetura etc.


Para o Barroco, tudo é igual e tudo é diferente. Estilisticamente, o movimento se apoia em grandes contrastes (claro e escuro, alto e baixo, vício e virtude, céu e inferno, novo e velho, etc.). E na fusão dos contrários.


Literariamente, o Barroco é uma festa da inteligência (conceptismo) ou uma festa da palavra (cultismo).


No Brasil, a influência do Barroco brasileiro ocorre em 1601 com a publicação do poema épico Prosopopeia, de Bento Teixeira. Durante o século XVII e início do século XVIII, a poesia não passa de imitação e adaptação do gongorismo espanhol; a prosa pauta-se no estilo dos jesuítas, sobretudo de Anchieta e Vieira.


A partir da fundação de algumas agremiações literárias, como a Academia Brasileira dos Esquecidos (1724) e a Academia Brasileira dos Renascidos (1759), as nossas letras buscaram desenvolver um certo sentimento de nacionalidade, fugindo até certo ponto das influências portuguesas.


Em 1768, Cláudio Manuel da Costa publica suas obras poéticas, que inauguram um novo movimento literário no Brasil.


As características da literatura barroca são fundamentalmente as mesmas das de Portugal e Espanha.


PRINCIPAIS REPRESENTANTES


São os seguintes: Bento Teixeira Pinto, Gregório de Matos, manuel Botelho de Oliveira, Frei Manuel de Santa Maria Itaparica, Padre Antônio Vieira e Eusébio de Matos.


CARACTERÍSTICAS DO BARROCO:


1) Culto dos contrastes:. Céu / Terra; vida terrena / vida espiritual; espiritualidade / materialidade;


2) Verbalismo: uso exagerado de imagens, de figuras de sintaxe, de metáforas difíceis e de floreios literários;

3) Religiosidade: frequência de assuntos envolvendo a problemática religiosa;


4) Sensualismo: ênfase dada aos aspectos táteis, visuais, sensitivos, tanto em relação à Natureza como ao corpo humano;


5) Pessimismo: nascido da oposição entre o corpo e a alma, entre o EU e o Mundo, entre o Cristianismo e a Reforma;


6) Culto da Solidão: o artista, o poeta é um ser especial, que se isola num mundo particular. Com esta característica, o Barroco está na raiz do futuro movimento romântico;


7) Transitoriedade da vida (a efemeridade do tempo) e o carpe diem;


8) Preocupação constante com a morte, tal qual na Idade Média;


9) Gosto pelo grandioso, sangrento e espetáculo trágico;


10) Tensão emocional: o homem já não se orienta pela razão, mas, sim, por sentimentos e emoções violentas;


11) Conceptismo: é o jogo de ideias, constituído pelas sutileza do raciocínio e do pensamento lógico, por analogias entre outros.

Agora, observe o exemplo.


Soneto de Gregório de Matos que ilustra bem a vertente lírica de sua expressão poética:


À MESMA D. ÂNGELA


Anjo no nome, Angélica na cara!

Isso é flor, e Anjo juntamente:

Ser Angélica flor, e Anjo florente,

Em quem, senão em vós, se uniformara:


Quem vira uma tal flor, que a não cortara,

De verde pé, da rama florescente;

E quem um Anjo vira tão luzente,

Que por seu Deus o não idolatrara?


Se pois como Anjo sois dos meus altares,

Fôreis o meu Custódio, e a minha guarda,

Livrara eu de diabólicos azares.


Mas vejo, que por bela, e por galha


Dúvidas, deixe nos comentários. Siga-me nas redes sociais.

Bjs.

Até a próxima aula!


#barroco #professoraanarita #literaturaeredacao

5 visualizações

© 2019 -2020 por LITERATURA E REDAÇÃO                                              Rio de Janeiro - Brasil

  • w-facebook
  • Twitter Clean
  • White Google+ Icon

 Tel  21-99321-0173 / contato@literaturaeredacao.com